Varnish: turbinando seu site

Postado em: 4 de dezembro de 2015 - Por: Marcelo Ramos

sistema-varnish-cache

 

Como vimos no artigo “Páginas mais rápidas com mod_pagespeed” existem várias maneiras de acelerar a exibição das páginas de nosso site. As soluções similares ao mod_pagespeed atuam no tratamento do conteúdo que sai do servidor antes deste ser enviado ao navegador do cliente.

Mas o mod_pagespeed não resolve tudo. Atualmente muitos sites utilizam conteúdo dinâmico, seja porque são construídos utilizando alguma linguagem de programação, seja porque utilizam um gerenciador de CMS como WordPress, Joomla ou Drupal. A página exibida ao visitante é “montada” pelo servidor no exato momento da consulta. Em uma próxima visita do mesmo visitante, a página pode ter outro conteúdo diferente.

E onde entra o Varnish?

Vamos pegar como exemplo um blog construído sobre WordPress com notícias de basquete que, nas manhãs seguintes aos jogos da NBB ou NBA, apresenta um volume de visitas bem maior do que o normal. Se o número de visitas simultâneas for realmente expressivo, pode ser que cada nova visita ao site fique mais lenta, pois todas estão solicitando ao WordPress uma nova página e o WordPress está sobrecarregado consultado o banco de dados MySQL para gerar o conteúdo dinamicamente.

NBA

Imagine um blog construído sobre WordPress com notícias de basquete nas manhãs seguintes aos jogos da NBA? É aí que o Varnish entra, acelerando a entrega do conteúdo

O Varnish entra justamente nesta hora. Utilizando um conceito conhecido como proxy HTTP reverso. Dependendo das configurações utilizadas e do número de visitas do site, o Varnish pode acelerar a entrega de seu conteúdo ao visitante entre 300 e até 1.000 vezes.

E qual é a mágica? O Varnish se posiciona entre o visitante e o servidor, transformando o conteúdo dinâmico de um momento do tempo em um conteúdo estático em memória, e entregando este conteúdo ao visitante sem fazer uma nova consulta ao WordPress a cada visita.

Em termos práticos, caso seu site tenha 100 visitas por segundo e as configurações do Varnish estejam definidas para um cache de dois minutos, o Varnish irá entregar aos visitantes 12.000 páginas fazendo apenas uma consulta ao seu WordPress. As demais páginas serão entregues diretamente do cache do Varnish.

Assim, com a mesma quantidade de recursos, conseguimos entregar um volume maior de páginas de forma mais rápida.

Posso usar o Varnish sempre?

É sempre importante saber o que podemos e o que não podemos fazer, e as limitações de um produto ou serviço antes de começar a utilizá-lo. Com o Varnish não é diferente.

O Varnish, por exemplo, não suporta nativamente páginas com conteúdo HTTPS. Ou seja, caso seu site seja totalmente construído em HTTPS não existe vantagens em utilizá-lo.

Os profissionais responsáveis pelo desenvolvimento devem ter conhecimento se seu site utilizará ou não Varnish. Algumas configurações de cache e gerenciamento de conteúdo utilizadas em programação podem apresentar resultados diferentes do esperado quando não se considera o Varnish no projeto.

Bom, então devo ou não usá-lo?

Caso seu site tenha uma quantidade pequena de visitantes, não há necessidade de habilitar o Varnish.

Se o número de vistas for grande, a resposta é sim. Faça alguns testes de navegação com o uso do Varnish e verifique se o site está funcionando conforme esperado. Caso não esteja, implemente as correções necessárias. Afinal de contas ter ganhos da ordem de 300 vezes é algo a se considerar em um projeto.

E o melhor. Usar ou não Varnish na InfoLink é tão simples quanto acessar o Painel de Hospedagem e clicar em ativar ou desativar.

Eu ia me esquecendo… O Varnish está disponível na hospedagem compartilhada sem custo adicional.

Conheça agora a Hospedagem InfoLink.

 

Leia também