Quais são as principais características de um Data center?

Postado em: 27 de setembro de 2016 - Por: Infolink

data-center.jpg

As centrais de dados das empresas têm mostrado um papel cada vez mais significativo – e vital – na condução dos negócios, desenvolvimento de vantagens competitivas, interação entre equipes, tomada de decisões e relacionamento com o consumidor.

Para tanto, torna-se necessário um investimento otimizado para manter o recurso operando com eficiência e prover aos colaboradores e dirigentes informações estratégicas e dados essenciais para análises precisas, sempre em tempo hábil.

Conhecer as principais características de um bom data center é um passo inicial importante, que pode ajudar sua empresa a compreender melhor o que o banco atual precisa, qual tipo de melhorias podem ser feitas e também auxiliá-la na escolha de um fornecedor de confiança, que possa oferecer soluções inteligentes neste campo.

Está curioso para entender melhor o que é mais relevante em termos de data center? Continue a leitura.

#1. Alta disponibilidade

Vamos começar pela razão maior de existir data centers nas empresas: armazenar, organizar e disponibilizar informações com prontidão para serem utilizadas a favor do negócio, e nos processos inerentes a ele no dia a dia de trabalho.

Se as informações existirem, mas não forem administradas da forma correta e, principalmente, de um modo que garanta fácil consulta aos profissionais autorizados, a eficácia de um data center cai – para não dizer que anula o propósito de ele existir.

Não encontrar a informação é quase o mesmo que não possuí-la. Por isso, os data centers precisam, cada vez mais, investir em alta disponibilidade, sem que, claro, se quebre a segurança (como falaremos adiante).

Saímos da época em que quase todos os dados e registros das empresas eram feitos de forma manual, em arquivos, cadernos ou demais pontos de anotação, o que demandava um trabalho muito mais árduo de classificação, catalogação e armazenamento para garantir alguma facilidade na hora de encontrá-los.

Hoje em dia, com a realidade digital, as empresas ganharam velocidade e eficiência no processo.

Porém se o data center não tiver como características servidores ágeis, opções de balanceamento de carga, uptime eficiente (que, com a nuvem, chega a 99%), por exemplo, corre o risco de falhar na missão de oferecer dados rápidos que apoiem tomadas de decisões certeiras, podendo, a empresa, não aproveitar todos os insights de negócio.

#2. Segurança

Outro ponto chave: quando falamos de disponibilidade, não podemos esquecer do fator segurança como um agente de peso.

Uma das características principais de um data center, ao lado de ser “altamente disponível”, é – sem dúvidas – ser seguro.

As duas ideias que de início mais parecem se contrapor (informações ao dispor x segurança), na verdade, se complementam, visto que disponibilidade, neste caso, não significa “impedimento” se for preciso proteger os dados de quem não tem autorização.

A ideia é que as pessoas que tenham devidas permissões consigam acessar a base de informações com facilidade, enquanto hackers, ameaças e outros indivíduos não autorizados permaneçam impedidos de visualizar, copiar ou modificar qualquer dado.

Aliás, um mesmo colaborador, por exemplo, pode ter níveis de permissões: poder acessar, mas até certo ponto. E um data center bem estruturado conta com configurações e ferramentas de proteção suficientes para assegurar medidas como essa.

#3. Performance e estabilidade

Após garantir estes dois fatores básicos, quais características meu data center precisa para ser de ótima qualidade?

Bem, na verdade, performance tem a ver com uma série de outras etapas além de informação disponível, que é uma das características principais.

Após acessar e encontrar as informações, geralmente, se inicia um trabalho em cima delas, que precisará contar com o potencial do data center em outras fases do caminho.

Estabilidade, então, entra como fator essencial. De nada adianta ter um data center com boa disponibilidade se esta condição não puder ser garantida em toda a operação, e todos os dias.

Não dá para “contar com a sorte”, por exemplo, quando um servidor cai, quando ocorrem instabilidades ou imprevistos que possam, temporariamente, deixar as informações, antes fáceis de encontrar, “fora do ar” ou indisponíveis por outros motivos.

Uma solução para isto é investir em sistemas que dependam cada vez menos de recursos fixos e mais vulneráveis, como servidores físicos unicamente ou itens alocados somente em uma central, que pode sofrer ataques, panes, invasões.

Neste contexto, soluções em nuvem se destacam mais uma vez por oferecerem uma opção – que pode ser híbrida – de distribuição mais segura e eficiente das informações, garantindo maior proteção e, também, otimizando fatores como tempo, produtividade e dinheiro (visto que, sob demanda, se tornam muito mais econômicas do que uma infraestrutura totalmente física).

#4. Eficiência energética

Fornecer energia na medida certa e adequada para seu data center funcionar também pode ser um desafio, pois é algo de que, geralmente, depende o restante de uma operação.

Por isso, conversar com profissionais que entendam da questão é importante a fim de decidir os melhores lugares para alocar e instalar os recursos de seu centro de dados, garantindo alimentação contínua e eficiência energética.

Existe uma maneira, aliás, de medir este fator por meio da razão entre a potência total consumido pela instalação de TI e outros itens demandados, como refrigeração e iluminação.

Assim, é importante lembrar, por exemplo, que instalações que necessitam de mais energia, consequentemente, provocam geração de mais calor e necessidade de maior refrigeração, podendo colocar em risco o bom funcionamento das máquinas.

Por meio de parcerias com hosting e serviços de nuvem, no entanto, este tipo de preocupação tem sido amenizada nas empresas.

Com tais ações, menos servidores locais se fazem necessários, menor quantidade de dados trafegam nas instalações físicas propriamente ditas e maior estabilidade e proteção contra panes são garantidas, além da redução de energia pelo uso de menos equipamentos.

#5. Gerenciamento eficaz e monitoramento

Por fim, um dos fatores que irá tornar possível todos as outras é, com certeza, uma boa gestão no data center.

O gerenciamento eficaz prevê a aplicação de algumas diretrizes que vão permitir, além de um trabalho de administração cuidadoso, a identificação de riscos antecipadamente, melhorando as ações em tempo real para evitar danos maiores.

Um serviço de monitoramento de rede com base em nuvem, por exemplo, pode ser uma ótima opção para empresas que desejam unir vantagens de gestão e controle em um único modelo, e contar com a opção de delegar a profissionais gabaritados a tarefa de gerenciar seu data center virtual, o que nem sempre é fácil – por questões, como pouco tempo para problemas operacionais – aos gestores internos da área.

Você já conta com um bom data center em sua empresa? Já descobriu como escolher um bom fornecedor de cloud? Fale conosco se restar alguma dúvida! 

Leia também