Mulheres pioneiras na Tecnologia

Postado em: 7 de março de 2014 - Por: Ana Pimentel

Ada Lovelace o primeiro programador do mundo é uma mulher!

No Dia Internacional da Mulher, iremos celebrar as mulheres pioneiras que melhoraram o mundo através da tecnologia.

Você sabia que alguns dos primeiros avanços tecnológicos computacionais são diretamente atribuídos a mulheres?

Por exemplo, o primeiro programador do mundo, na verdade era uma programadora!

Entre 1842 e 1843, a condessa inglesa Ada Byron, mais conhecida como Ada Lovelace, criou um algoritmo para o cálculo da sequência de Bernoulli usando a máquina analítica de Charles Babbage. A máquina foi reconhecida como o primeiro modelo de computador e as notas de Ada como a descrição de um computador e  de um software.

As mulheres pioneiras no século XX

Os primeiros computadores que avançaram durante a Segunda Guerra Mundial foram criados a partir da máquina analítica. Inclusive, durante a Guerra, um grupo de programadoras de uma universidade da Pensilvânia trabalhou na programacão do ENIAC, o primeiro computador eletrônico que calculou os ataques de artilharia dos Estados Unidos. São elas: Adele Goldstine, Betty Snyder, Fran Bilas, Kay McNulty, Marilyn Wescoff e Ruth Lichterman.

Grace Hopper: criadora do compilador, da base do COBOL e o termo "bug"Ainda não podemos deixar de citar a incrível Grace Hopper (Amazing Grace) que, além de criar a linguagem de programação que deu base para o COBOL, e o primeiro compilador de erros em códigos de programacão, ainda inventou o famoso termo bug.

Poderíamos citar ainda centenas de mulheres que fizeram trabalhos igualmente memoráveis. Fica aqui a homenagem da InfoLink a essas bravas pioneiras da tecnologia, que se destacaram em uma época em que o papel da mulher era totalmente inferiorizado e minimizado na sociedade. São pioneiras também como profissionais mulheres do século XX em áreas predominantemente masculinizadas. Graças à força, persistência e paixão por suas vocações, dentro de um meio hostil, que tantas mulheres de hoje sentem-se livres e empoderadas para trabalhar nas áreas que bem pretenderem.

Leia também