Marketing de Conteúdo: não existe milagre, mas trabalho bem feito

Postado em: 18 de agosto de 2015 - Por: Érika Bazilio

marketing_strategy2

Não se constrói um bom marketing de conteúdo de uma hora para outra. Portanto, não acredite em milagres ou respostas prontas. Antes de fechar com a primeira agência de conteúdo – ou montar uma equipe internamente – é bom saber do que se trata esse tal marketing de conteúdo e o que ele “pode fazer” ou “não” e “como” por sua empresa.

O maior equívoco sobre marketing de conteúdo é em relação ao tempo de retorno. Embora muitos já saibam que leva tempo, a confusão é sobre quanto é esse tempo. E isso é muito importante para não gerar expectativas excessivamente otimistas que acabam ocasionando desistências pelo caminho e investimentos em vão.

Rand Fishkin, fundador do Moz, líder de mercado em inbound marketing e que reúne a maior comunidade SEO do planeta, conta que estava dando uma palestra em Seattle para uma série de startups sobre o trabalho da Moz de produção de posts, conteúdo em vídeo, webinars e os mais diferentes tipos de mídia, até que veio a pergunta:

 

“Uma vez que você posta e ganha leitores, isso quer dizer que as pessoas que o leem, curtem e compartilham seus posts automaticamente irão comprar com você?”.

 

E foi então que me ocorreu: “Caramba! Isso acontece o tempo todo”. As pessoas pensam que a razão para você publicar alguma coisa é porque alguém vai consumir esse conteúdo e a partir dele ser persuadido a fazer uma compra.

Sinto dizer, e talvez isso fira muito profissionais de SEO e de mídia social, mas não é assim que a coisa funciona. Não se conquista resultados com um simples passe de mágica. Não basta construir uma peça incrível com design responsivo, belíssimos gráficos, layout agradável e um fantástico texto. Tudo perfeito!

Com esse material em mãos, você vai para a fase 2. Promove o conteúdo em todas as plataformas: Twitter, Facebook, Google+, LinkedIn, Periscope, Snapshot e o que mais vier de novidade no mundo digital. Os visitantes do seu site ou blog experimentam esse conteúdo e, em seguida, alguns deles, talvez 2% convertem em vendas.

Adoraríamos que fosse desse jeito, mas com algumas raras exceções, não é assim que funciona. Mas é como um monte de gente investe e pensa sobre marketing de conteúdo.

Como o marketing de conteúdo funciona?

Para que o marketing de conteúdo funcione, é preciso repetir esse processo muitas e muitas vezes, de novo e de novo, até que ele comece a ficar bom, e você encontre aquele tipo de conteúdo incrível que realmente vai repercutir junto a seu público. Até alcançar isso você vai passar por muitas tentativas e muitos fracassos.

Porque é raríssimo que alguém que nunca ouviu falar na sua marca, realize uma compra com o primeiro contato. Isso quase nunca acontece.

O que realmente acontece é que com a construção de um conteúdo periódico as pessoas passam a ver muitas e muitas vezes a sua marca. Isso faz crescer uma memória sobre sua marca, sobre o que você faz, e seu público-alvo constrói  uma espécie de conta bancária positiva com você. Uma conta em que não existe dinheiro, mas experiências envolvendo sua marca. Pode ser por meio de conteúdo, de mídias sociais, do aparecimento do nome de sua empresa em uma pesquisa do Google, enfim, tudo isso vai acumulando capital na sua conta.

Uma vez que você alcança um certo nível de lembrança e associação positiva sobre uma marca com a qual já teve algum tipo de experiência, quando você tem a necessidade de um produto ou serviço com os quais eles trabalham, então você pode se lembrar de fechar a compra com eles.

Ou você pode realizar uma simples busca no Google, e pelo fato de já ter tido várias interações com eles, a tendência natural é que a marca cresça em autoridade e alcance posições cada vez maiores no ranking de suas pesquisas. Isso pode ser um fator decisivo para você fazer uma compra com eles.

Muitas pessoas não entendem como o SEO funciona. Para elas o marketing de conteúdo é viral e alcança seu objetivo ao se espalhar. Elas não estão preocupadas em como podem classificar esse material nos motores de busca e como isso pode ajudá-las nos rankings de pesquisa para outras coisas.

Um erro básico é não criar links entre esses conteúdos que acabam ficando órfãos. E é comum ver blogs e sites “canibalizando” a autoridade um do outro, enquanto deveriam trabalhar juntos pela mesma marca.

Elas não pensam sobre o compartilhamento e a construção de uma audiência com o Google+, o que realmente pode ajudá-las nas buscas. Também não usam as palavras-chave inteligentemente.

Por causa de todo esse mito, uma infinidade de pessoas e equipes investem em marketing de conteúdo sem planejamento adequado. Falham ao não investir tempo suficiente e ao desistir cedo demais. E isso acaba custando caro.  E elas deixam de ganhar uma importantíssima ferramenta de construção – e posterior – conversão da marca.

 

Leia também