4 tendências de TI que a sua empresa não pode deixar de considerar

Postado em: 28 de setembro de 2016 - Por: Infolink

tendencias-TI.jpg

Desde que a tecnologia invadiu nossas vidas e negócios, nada mais é igual. Todos os dias nos deparamos com uma série de possibilidades que tornam processos de trabalho e interações mais otimizados, de modo que dependemos desta evolução para entregar resultados e melhorar a qualidade de nossos esforços constantemente.
E, neste contexto, cada vez mais as empresas percebem o quanto precisam acompanhar as tendências de TI para garantir infraestrutura de ponta e recursos altamente eficazes para a operação de suas equipes.

Há algum tempo, determinados assuntos em TI têm sido citados como tendência, passando, em muitos casos, para realidade latente, não podendo ser ignorados pelas empresas.
Ou seja, muita coisa chamada “tendência” já está aí, transformando o mercado, e sua empresa não pode ficar de fora delas.

Por isso, neste post, abordaremos 4 tendências de TI que despontaram em 2016, apesar de certa retração econômica vivenciada com a crise que diversos mercados atravessam, e prometem continuar evoluindo no próximo ano uma vez que, segundo o Gartner, o setor retoma crescimento em 2017 e cloud lidera a corrida!

Confira, a seguir, quais são as tendências que já não podem ser ignoradas por sua empresa.

#1. Cloud: infraestrutura em nuvem com aperfeiçoamentos constantes para atingir maiores resultados

Não importa qual seja o ramo de atuação da empresa (embora isto tenha relevância no momento de customizar ferramentas), a nuvem pode, definitivamente, fazê-la economizar e ter melhores resultados no dia-a-dia de equipes, disponibilidade e uso de informações.

O mercado de software, plataforma e infraestrutura como serviço vem crescendo muito, e com apoio da nuvem em todas estas faces.

Hoje, uma empresa não precisa mais dispor de todo um parque tecnológico próprio para usufruir de excelentes tecnologias nestes âmbitos, e isto é possível por meio dos aperfeiçoamentos contínuos que são feitos com base em cloud por profissionais especializados.

Uma empresa de confiança pode oferecer diversas soluções neste sentido e as vantagens são muitas, como o investimento otimizado (você contrata somente o que vai usar e não corre o risco de pagar por tecnologia que ficará sem utilidade).

Também chama atenção a escalabilidade, ou seja, aumentar a capacidade tecnológica de acordo com as demandas, podendo responder mais prontamente às exigências e oportunidades do mercado, e até mesmo retraí-la, se for o caso, sem gerar grandes prejuízos com perda de tecnologia adquirida (hardware, licenças etc subutilizadas) por meios tradicionais.

A empresa que ainda não acompanha esta tendência pode ter maior gasto com sua infra, dificuldade em gerenciá-la (visto que Data Centers virtuais também permitem gerenciamento contratado) e limitações para crescimento rápido e sustentável.

Aquelas que já enxergaram os benefícios da nuvem, mas ainda têm receios em partir totalmente para esta solução, também não têm mais “desculpas”, pois podem apostar no modelo híbrido.

Logo, a migração para a nuvem é, para quem ainda não aderiu, apenas uma questão de tempo – para não dizer de sobrevivência.

#2. Convergência digital e a questão da mobilidade

Mobilidade é outra tendência que não pode mais ser ignorada, e as empresas já perceberam isto: equipes trabalhando remotamente, colaboradores acessando e trabalhando dados a partir de dispositivos móveis como smartphones ou tablets são exemplos claros.

O compartilhamento de dados abre espaço para um fenômeno ainda maior do que o simples acesso e compartilhamento por estes aparelhos: permite contemplar a chamada convergência digital. Com foco no usuário móvel, a nuvem, novamente, pode suprir a necessidade de ter dados de informações e operações “nas mãos”.

Isto pode começar a acontecer com cada vez mais frequência não só com os famosos smartphones, comuns de serem vistos nos escritórios, por exemplo, mas também em outros dispositivos, como relógios (smartwatches), vestíveis, smart TVs, wearables, painéis ou sensores localizados nas mais variadas regiões do perímetro da empresa.

Com a nuvem, tudo, enfim, tende a convergir para um universo virtual que se fundirá cada vez mais com a realidade física para aumentar o desempenho, economia e controle sobre processos de negócios, máquinas, produções e infraestrutura das empresas.

#3. Invasão de novas interações no ambiente corporativo

Outra grande tendência são as novas formas de interação, permitidas por tecnologia mais avançada e operações com cloud. Não é à toa que os termos “Internet das Coisas” (IoT) e “automação” se fazem cada vez mais presentes no vocabulário tecnológico.

Com comandos dados mesmo a distância, baseados em comunicação via web com dispositivos e aparelhos, é possível, por exemplo, garantir maior segurança na empresa sem precisar deslocar colaboradores para isso (como o fechamento ou bloqueio de portas, por exemplo) e também economia (aparelhos que se apagam com sensores ou timers).

Saindo da esfera de vantagens no mundo “físico” ou “visível” da empresa, temos ainda o chamado Big Data. Este conceito trabalha em cima de ideia de classificar, analisar, cruzar e utilizar dados estrategicamente para o crescimento de negócios, com apoio em uma base de leads, por exemplo.

Tanto a parte de comandos físicos (automação) quanto de inteligência de negócios (Big Data) são tendências que fazem das empresas adeptas de tais tecnologias agentes potencialmente competitivos em um mercado cada vez mais dinâmico e exigente.

Tais inovações trarão, ainda, novos desafios com relação à segurança, mas que podem ser driblados com investimentos corretos em plataformas devidamente protegidas e, destacadamente, em monitoramento de rede.

#4. Uma nova atenção ao Hosting

E por que não falar dele também? O termo hosting é, basicamente, o conceito daquele ponto que irá suportar as atividades da empresa, ou seja, é a hospedagem dos serviços dela.

É onde estará ancorada a força da empresa, quer seja em operações, website e assim por diante. Apontar uma nova e maior atenção das empresas a este componente é relevante, pois o mercado tem mostrado cada vez mais a importância de investir em experiência do usuário para garantir maior satisfação e também fidelização de clientes.

Em um mapeamento da Associação Brasileira das Empresas de Infraestrutura e Hospedagem na Internet (Abrahosting), os índices apontam a superação de uma marca de R$ 1,2 bilhão na receita global deste setor até o final deste ano. E infraestrutura virtual, ERPs e aplicativos figuram neste meio.

Além disto, um site que se comporta bem, que facilita a navegação, negociações e que não cai constantemente por instabilidade e bugs, com certeza, sai na frente daquele que enfrenta tais problemas!

E é aí que entra o chamado Cloud Host como mais uma tendência forte: cloud dedicado a hospedagem, capaz de garantir mais estabilidade e performance. Ele pode ser tudo o que sua empresa precisa considerar para deixar de ser “ignorada” ou “abandonada” por potenciais clientes em momentos de maior pico, por exemplo.

E então, sua empresa já está familiarizada com algumas destas tendências ou se prepara para adotá-las?

Continue acompanhando nosso blog para ficar sempre por dentro das novidades na área de TI e cloud, e o que elas podem fazer por sua empresa!

Leia também